Páginas

Causos do céu

Bom, quando alguém conhece um tripulante, seja piloto ou comissário, a primeira coisa que se pergunta é: você já teve alguma situação de emergência ou difícil? então vamos lá, juntar os aperreios que já passei. 


As difíceis
- voo VP Bruxelas - SP, via Salvador
Tudo parecia normal durante o embarque até que foi detectado, nas vistorias dos pilotos, um problema na parte das asas que não me lembro direito agora. O tempo passa e a previsão de decolagem era desanimadora. Resolvemos fazer o serviço de almoço em solo para acalmar os ânimos. Uns passageiros amigos de outros na classe executiva tentaram invadir e retaliar a tripulação. Bom decolamos e já sobrevoando o centro da França, uma freira jovem de Belém (PA) começa a passar mal. Felizmente dentre os passageiros havia um médico e por sinal cardiologista. Cianose, garrafas de oxigênio, corre-corre , coordenação da equipe para tomar conta do restante do voo, a atenção de todos se voltou a religiosa que estava na primeira fileira da classe econômica. Talvez uma traqueostomia, se não pousarmos logo. Decisão difícil para o comandante, dá pra esperar? em Barcelona temos apoio da Vasp, mas o caso é grave, vamos pousar em Bordeaux. Alijamos combustível, mais uns vinte minutos, procedimentos de prepara o pouso agoniza, todo minuto seria fatal. Equipe médica francesa vem a bordo. Por eu ser o comissario francófono, fiz toda burocracia médica e até reabastecimento para nossa continuação. Talvez até ficasse para acompanhar a freira, desço com minhas malas. Cancela, volta pro voo.
Começa a segunda parte das manifestações de nosso atraso, outros passageiros invadem a Executiva. Por decisão também do comandante e do chefe de cabine, chamamos a policia para conter todos e avisar que em caso de baderna,  pousamos novamente e sai de camburão. E eu outra vez traduzindo tudo do policial francês. Decolamos direto para SP, nossa escala em Salvador foi cancelada. Uma italiana sabendo disso pelo boca-boca vem pelo corredor tentar bater na gente durante a decolagem, o marido um brutamontes vem atrás e contem a doida. Vambora. Nessa altura não tinha mais serviço de bordo, pois havíamos feito o almoço, lembra? e o proximo seria um lanche bem fuleira.
Bom, como se não bastasse, ao se aproximar da costa brasileira, fomos acordados do merecido descanso porque decidiu-se que aquele MD11 iria para Miami, então vamos pousa em Salvador e de lá um outro avião esperaria a gente. Isso eram umas três da manhã. Algumas semanas ganho uma carta da presidência da Vasp pela minha atuação, liderança e comprometimento.

- SP - Bruxelas, via Recife
Decolamos normalmente, fizemos escala em Recife. Após a decolagem já no meio dos serviço de bordo, uma colega nossa, comissária Lisboa passa mal com hiperventilação. Duas médicas ajudam a gente e decidem pousar de volta em Recife. Alijamos combustível, veio equipe média e ela sai de maca. Infelizmente, foi mandada embora junto com o comandante porque o médico alegou uma simples dor de cabeça. A decisão de um pouso alternado é complicada principalmente pelos custos operacionais bem altos. Abstenho de comentários.

- SP - Bruxelas, via Recife
Já havíamos terminado o jantar, eu, comissário Grassone e Vale de plantão na galley da executiva, me aparece um cara meio chapado falando mal um portunhol perturbando, querendo dormir na Primeira classe. Tentamos fazer ele voltar diversas vezes até que um momento tenta nos agredir nos chamando de maricona. Bom, conseguimos botar ele de volta lá na econômica. Vou eu descansar (na época nossos postos de descanso era numa parte da econômica), escuto alguém berrar. A cabine toda escura, algumas luzes de leitura fazia uma penumbra. Dou-me conta que era o ditocujo já sem camisa, jogando jornal na privada do banheiro ao lado. Ele não podia olhar pra mim nem pro Grassone. Claro que nessa hora todos acordaram. A Chefe Marina reuniu a gente para decidir que ação tomar e decidimos em amarrá-lo. Detalhe, havia um grupo de jijuteiros a bordo indo pra uma competição e estavam loucos pra bater no cara, mas ai, ja viu panico a bordo, só resta rezar. Enquanto as comissárias distraem ele, pegamos alguns tiras de segurança das porta do avião para amarrar o cara. Gritos, berros, mordeu meu polegar, dei-lhe um baita tapa da na cara... Ele devia ter se drogado, só pode. Em Bruxelas saiu com algemado com a policia a aplausos de todos os passageiros.

As cômicas
- Não lembro que voo, mas peguei uma senhorinha que resolveu se despir toda no banheiro e não trancou a porta. Vi claro toda floresta amazônica e aos berros ela fechou a porta com sua roupa do lado de fora...
- casal transa no banheiro, eu de plantão olhando pra cabine escura, todos dormem, sai uma mulher e um braço fecha a porta de volta.
- voo Varig para Santiago do Chile, Ivete Sangalo resolve fazer café e passar na cabine. Muito simpática, voei com ela duas vezes e a tive mais uma terceira no Hotel Fasano onde trabalhei.

aos pouco eu publico outras..



Nenhum comentário:

Postar um comentário