Páginas

Roma

Os últimos quinze dias tem sido uma imersão cultural europeia. Semana passada, com uma grande amiga fizemos castelos do vale do Loire na França. E esta semana foi a vez, sozinho porém, de conhecer Roma e Florença. Em três dias em cada cidade, andando muito, conheci os principais pontos da capital italiana e renascentismo italiano, e ainda quase um dia dedicado ao Vaticano.






Como esta viagem foi tudo de última hora, os hotéis estavam muito caros e portanto fiquei no albergue Moisaic, perto da Estação Termini, a estação central que liga o aeroporto Fiuminico ao centro.

Chegar ao centro
Chegando pelo aeroporto Fiumicino, tomei o Leonardo Express até a estação Termini, custa 14€. Há outro trem local por 8€, mas há várias paradas e leva mais tempo.

Visitas
Roma se faz praticamente tudo a pé. A cidade em si é um convite à arquitetura, a árdua história do império romano e expansão do catolicismo. Quanto aos museus e pontos turísticos, usei o famoso Romapass que pode ser comprado na estação de trem, aeroporto e mesmo pela internet. Custa 30€ e ao meu ver valeu a pena, pois os dois primeiros museus ou pontos turísticos são gratuitos e os demais tem descontos. Além de poder usar andar os metros e ônibus durante três dias.


Estava ansioso para conhecer o polemico Coliseo. Encontrei um texto que relata bem a história deste monumento.

"Conhecido também como Anfiteatro Flavio ou Flaviano, é o mais famoso anfiteatro romano que existe e está localizado na cidade de Roma. Foi construído no primeiro século depois de Cristo sob ordens dos imperadores da família Flavia como doação aos cidadãos de Roma.
Ficou conhecido como Colosseo não por suas enormes dimensões, mas devido à presença das colossais estátuas revestidas de ouro (hoje perdidas) antes colocadas ao longo do prédio.
Possui uma capacidade para 50.000 pessoas e era considerado o maior e mais importante anfiteatro da época imperial. O Colosseo possui cerca de 1920 anos de história e suas ruínas permanecem como testemunhas dos acontecimentos romanos que lá ocorreram.
Três tipos de espetáculos eram realizados no Colosseo: as lutas entre os gladiadores, a caça a animais ferozes como tigres, leões, elefantes, crocodilos e hipopótamos e as representações das batalhas navais, quando o Colosseo era enchido de água (não tanto frequente).

Coliseo

nas galerias subterrâneas, feras aguardavam os lutadores

corte transversal do prédio

Durante as batalhas, enquanto os gladiadores lutavam até a morte, a audiência formada por imperadores e nobres assistiam à luta com todo conforto possível. Eles ofereciam esses espetáculos aos cidadãos para que os mesmos se distraíssem e não prestassem atenção aos problemas da cidade. Uma forma para obter o consenso da sociedade (pão e circo).
Enquanto gladiadores treinados eram, geralmente, poupados no final das batalhas, o mesmo não acontecia com seus adversários que eram escravos e criminosos. Pois aqueles que não atendessem as expectativas plateia eram chicoteado até lutar de forma mais agressiva. Ao término das lutas, os corpos eram espetados com lanças de madeira em brasa para garantir que não fingiam-se de morto. O Colosseo foi utilizado para esses fins por 500 anos e inutilizado no início da era medieval, sendo reativado depois, mas para fins habitacionais, oficinas e sede de ordens religiosas."

Portal de Adriano

Saindo do Coliseo, fui direção Fonte de Trevi, famoso pelo cenário do filme de Felini, La Dolce Vita. Diz a tradição para jogar uma moeda, mas preferi tomar um sorvete!

Fontana de Trevi

Saindo dali, a próxima parada foi o Panteon, construído na época do Imperador Adriano (de 117 a 138). Detalhe maior é esta cúpula.

Panteon

Panteon

A charmosa Piazza Navona e suas fontes laterais. De frente a praça, diversos restaurantes avarandados propõem um momento agradavel e romântico. Prefira ir ao por do sol!

Piazza Navona

Nesta praça, há uma pasticceria chamada Tartuffo e que serve um doce com o mesmo nome, um sorvete de chocolate meio amargo, com cerejas ao marasquinho coberto de cascas de chocolate. Tem a opção com ou sem panna, tipo de chantilly.


O Castelo de Santo Ângelo fica perto do Vaticano, na margem do rio Tibre. A origem deste castelo seria o mausoléu do Imperador Adriano. Ele lembra um grande queijo redondo. Tem-se uma bela vista do terraço, lá pertinho do anjo. Proponho as fotos no fim da tarde como abaixo, a luz é perfeita!

Castelo de Santo Angelo

vista da ponte dos anjos


Ponte Castelo de Santo Angelo

Perto da Estação Termini, tem esta basílica Santa Maria degli Angeli e o curioso está numa linha calendário com os signos do horóscopo.



Outra praça do charme, além da Navonna e Trevi, é a Piazza di Spagna. Prédios coloridos ao seu redor, a igreja da Trindade no alto e carruagens para passeios...

Plazza Spagna








Nenhum comentário:

Postar um comentário